Treze Futebol Clube, conhecido como o Galo da Borborema, é uma agremiação poliesportiva brasileira com sede na cidade de Campina GrandeParaíba. Fundado em 7 de setembro de 1925[3] no centro da cidade, mudando-se para o bairro do São José na década de 1940.[4] Apesar de ser um clube de futebol, atua também em outros esportes, como voleibasquete e futebol americano.

Sua atuação no futebol iniciou-se em 1926 e em 1986, ganhou destaque no Torneio Paralelo (uma espécie de Série B, mas não é reconhecido pela CBF como tal),[5][6][7] quando o clube terminou na primeira colocação do Grupo E e se classificou para a disputa da Série A do mesmo ano.[nota 1] Outra conquista de destaque foi o Grupo Nordeste da Taça Brasil em 1967.[8]

Desde 2000, o Treze ganhou seis vezes Campeonato Paraibano, sendo o maior campeão estadual do período. Dentre os estaduais, destaque para o título de 1966, que foi vencido de forma invicta e que é representado pela estrela no escudo do clube.

Tem uma das melhores estruturas e patrimônio da Paraíba. É proprietário do Estádio Presidente Vargas, um dos maiores estádios particulares do nordeste, com capacidade limitada a 8.885[1] torcedores é o único estádio particular da Paraíba autorizado pela CBF para realizar competições oficiais.[9]

História

Já fez várias boas campanhas na Copa do Brasil, chegando inclusive ao quinto lugar em 2005. É o melhor resultado já obtido por um time paraibano na competição. Naquela edição, o Treze eliminou São Caetano-SP e Coritiba. O clube é o proprietário do Presidente Vargas (PV), o maior estádio particular da Paraíba, para a segunda maior torcida da Paraíba, perdendo apenas para o maior clube dá Paraíba, Campinense Clube.[1]

No dia 7 de setembro de 1925, treze pessoas lideradas por Antônio Fernandes Bióca (1894-1996), introdutor do futebol na cidade de Campina Grande, se reuniram numa simples casa, onde hoje em dia está construído o Colégio Motiva, e fundaram o Treze Futebol Clube. O nome Treze fora dado ao clube pelo sócio José Casado de Oliveira (1904-1996), pelo fato de serem treze o número de pessoas reunidas no dia da fundação: Antônio Fernandes Bióca, Alberto Santos, Amélio Leite, José Casado de Oliveira(Casado), José de Castro, José Eloy Júnior, José Rodolfo, José Sodré,Luiz Gomes, Olívio Barreto, Osmindo Lima, Plácido Véras (Guiné), e Zacarias Ribeiro (Cotó).

O Treze treinou pela primeira vez no Campo dos Currais, local onde atualmente está situado o Mercado Público de Campina Grande.

Primeiros jogos

 
Foto da primeira equipe do Treze 1926

O primeiro jogo oficial do Treze foi realizado no dia 1º de maio de 1926, no Campo dos Currais, contra o Palmeiras Sport Clubde João Pessoa, um importante clube da época. O time do Treze era formado por: Olívio; Zé Eloy e Lima; Eurico, Zacarias do Ó e Zé de Castro; Rodolfo, Casado, Reis, Cotó e Guiné. Nesta mesma partida saiu o primeiro gol do Treze, marcado por Plácido Veras, o Guiné, que também foi um dos fundadores do time. Guiné recebeu este apelido pelo fato de ser um jogador bastante veloz. Plácido Veras era irmão de Manoel de Veras, que era cunhado de Antônio Barbosa Guimarães, "Massaroca", um dos maiores pontas do futebol amador da Paraíba. Tendo atuado nos maiores times da época.

A primeira partida interestadual do Treze aconteceu no dia 11 de junho de 1928, contra o Paissandu-RN, em Natal. O Treze venceu o jogo por 3 a 1 e conquistou a Taça Paissandu. O clube potiguar pediu revanche e novamente perdeu para o Treze, desta vez pelo placar de 2 a 1.

Primeiros Campeonatos Paraibanos disputados

O Treze Futebol Clube é o primeiro clube, fora da capital a disputar o Campeonato Paraibano de Futebol no ano de 1939, sendo sua primeira partida contra a equipe do Auto Esporte, derrota por 3 a 2. Em seu segundo jogo na competição, a equipe trezeana ganhou da equipe tricampeã paraibana na época, o Botafogo, pelo placar de 8x1. Como durante muito tempo, os campeonatos paraibanos só se realizavam em João Pessoa, a equipe trezeana não tinha condições financeiras de disputar o campeonato na capital, nos primeiros três anos de disputa consegue um vice-campeonato e bicampeonato em 1940 e 1941.

O Retorno ao Estadual e o Título Invicto de 1966

Durante os campeonatos de 19421943 e de 1945 a 1949 o Treze não disputa o Campeonato Paraibano por causa do prejuízo financeiro de ter de jogar todos os jogos na capital, longe de sua torcida.

Com a implantação do profissionalismo em 1950, o Treze decide participar do Campeonato Paraibano e volta a ser campeão paraibano, mas volta a ficar ausente dos estaduais de 1952 e de 1954 à 1960 (em 1951 não houve Campeonato Paraibano).

Em 1966, o Treze se sagrou o campeão invicto do Campeonato Paraibano, que representa a estrela acima do escudo do clube.

O presidente do Treze da época, Edvaldo do Ó, teve um atrito com a imprensa de Campina Grande e proibiu a entrada de locutores no Estádio Presidente Vargas. Edvaldo então ordenou que as partidas do Treze fossem gravadas em áudio, as quais eram transmitidas, após o término das partidas, em um carro de som estrategicamente colocado no atual Calçadão da Rua Cardoso Vieira. Verdadeiras multidões se reuniam para ouvir as gravações, e vibravam com os gols como se fosse ao vivo.

Resultados do Treze no Campeonato Paraibano de 1966 :

  • 12/06: Treze 1 x 0 Nacional
  • 19/06: Treze 3 x 0 União
  • 22/06: Treze 3 x 1 Guarabira
  • 18/07: Treze 3 x 0 Esporte
  • 24/07: Treze 2 x 2 Botafogo
 
  • 14/08: Treze 3 x 0 Santos
  • 04/09: Treze 2 x 0 Campinense
  • 09/10: Treze 1 x 0 Nacional
  • 23/10: Treze 2 x 0 Guarabira
  • 06/11: Treze 2 x 2 União
 

Garrincha

 
Garrincha jogou em 1968 pelo Treze Futebol Clube

No ano de 1968, onde o Treze enfrentou a seleção de novos da Argentina e perdeu por 3 a 2, logo após o confronto no dia 8 de fevereiro de 1968no Estádio Presidente VargasGarrincha vestiu a camisa do Treze Futebol Clube no amistoso com a seleção da Romênia classificada para a Copa do Mundo de 1970, sendo substituído no segundo tempo, derrota trezeana por 2x1, Leduar fez o gol do Galo, que atuou com: Elias; Janca, Antonino e Leduar; Mané e Nilton; Mané Garrincha (Paluca), Lima, Chicletes, Pedrinho e Zé Luiz.

Tempos recentes

O Campinense Clube. Na década de 1980 conquista o tricampeonato em 19811982 e 1983 e o estadual de 1989.

Em 1986 o Treze conquista o Grupo E do Torneio Paralelo da CBF, correspondente à atual Série B do Campeonato Brasileiro. Nesta competição o Treze obteve 12 pontos em 8 jogos, sendo 5 vitórias, 2 empates e 1 derrota, marcando 8 gols, sofrendo 2 gols e saldo de 6 gols, com os seguintes jogos :

  • 06/09/1986 - Treze 1x0 Ferroviário
  • 10/09/1986 - Treze 1x0 Guarany
  • 14/09/1986 - América-RN 0x0 Treze
 
  • 17/09/1986 - Sport Belém 1x2 Treze
  • 21/09/1986 - Treze 2x0 River
 
  • 24/09/1986 - Rio Negro 0x0 Treze
  • 28/09/1986 - Treze 2x0 Moto Clube
  • 01/10/1986 - Maranhão 1x0 Treze

década de 1990 passa sem títulos trezeanos na Paraíba, voltando a ser campeão nos anos de 20002001200520062010 e 2011.

Melhores campanhas na Copa do Brasil

Em 1999, o Treze é o primeiro clube paraibano a passar da primeira fase da competição ao derrotar o Santa Cruz, em Recife, sendo eliminado na segunda fase pelo Corinthians, nos pênaltis, após dois empates em 2 a 2, tanto em Campina Grande quanto em São Paulo.

Em 2005, o Galo da Borborema chega nas quartas de final da Copa do Brasil, após eliminar Ulbra-RSSão Caetano e Coritiba é eliminado nos pênaltis pelo Fluminense, o que foi muito contestado pela imprensa e pela torcida trezeana, todos afirmam que o goleiro do Fluminense supostamente estava se adiantando muito nas cobranças do Galo.

Pior campanha da história

1994 foi um ano para ficar na história do Treze Futebol Clube; acontece que nesse ano, o clube obteve a pior campanha de sua história no estadual. O clube ficou na 11° colocação geral o que acarretou sua queda para a Segunda Divisão do Campeonato Paraibano. Fora isso, foi um ano em que o Treze chamou mais atenção fora de campo do que dentro dele, com as disputas nos tribunais contra o Campinense Clube.[10]

Conseguiu o acesso para a elite do futebol paraibano em 1995, quando ficou na 4° colocação.

Rivalidade

 
Dia de Campinense x Treze no Amigão (Campeonato Paraibano 2009)
Ver artigos principais: Clássico dos Maiorais e Clássico Tradição

Seus dois maiores rivais no futebol estadual são o Campinense, de Campina Grande, no confronto conhecido por Clássico dos Maiorais, e o Botafogo, de João Pessoa, que realiza junto com o Treze, o Clássico Tradição. Até hoje o Clássico dos Maiorais foi disputado 402 vezes. O Treze venceu 136 vezes, o Campinense 107 e terminou empatado em 159 oportunidades.

Torcida

De acordo com os institutos de pesquisa como o Ibope, Datavox e GPP, o Treze é o clube local com o maior número de torcedores da Paraíba.[11][12][13] Estima-se que o clube tem uma torcida de aproximadamente 600 mil torcedores só na Paraíba, o que representa 62% da preferência dos torcedores locais, tendo uma torcida maior que a soma da 2ª e 3ª maior torcida do estado.[13]

Torcidas Organizadas

O Treze Futebol Clube possui oficialmente três torcidas organizadas:

Galera Unida do Galo (GUGA)

Fundada em 1970, a Galera Unida do Galo é a mais antiga torcida organizada em atividade da Paraíba. Foi durante mais de 20 anos a maior torcida do Treze, até o final da década de 90, quando a febre das torcidas jovens estava em alta todo o Brasil e a GUGA acabou perdendo força e parando suas atividades. A maioria dos seus membros fundaram então novata Torcida Jovem do Galo em 2001. A GUGA foi relançada no dia 16/12/2014, e sua reestreia foi no amistoso Treze x Centro Esportivo Força e Luz no dia 07/01/2015. Em jogos oficiais a estreia da GUGA em sua nova fase foi no dia 01/02/2015 em um jogo contra o Santa Cruz de santa rita, válida pela 1ª rodada do Campeonato Paraibano de Futebol de 2015. É a segunda maior torcida organizada do Treze atrás apenas da Jovem do Galo, e a principal representante do time na arquibancada sombra.

Torcida Jovem do Galo (TJG)

Em 13 de dezembro de 2001, foi fundada a Torcida Jovem do Galo, que apareceu pela primeira vez nos estádios em 20 de Janeiro de 2002, em um jogo contra o ABC de Natal no estádio Amigão. Atualmente é considerada a maior torcida organizada da paraíba, segundo pesquisa divulgada pela Pluri Consultoria no início de 2013.

Torcida Organizada Tocha Alvinegra (TOCHA)

Fundada em 1985, a TOCHA é uma torcida de caráter mais tradicional. É a torcida com mais tempo ininterrupto do Treze, com 30 anos de atividade sem pausas ou paralisações. Os seus membros são pessoas com mais idade, trezenos que já acompanham o time a décadas e até hoje fazem parte da TOCHA. É a torcida responsável pela arrecadação de fogos e materiais para festas na arquibancada.

Torcidas Não oficiais

Além dessas, o Treze possui mais seis torcidas ou movimentos organizados não cadastrados no Ministério Público da Paraíba:

  • Galera do Galo de João Pessoa (GAJAMPA)
  • Galera Unida da Cachaça (GACHAÇA)
  • Movimento Camisa Treze (CAMISA 13)
  • Torcida Organizada do Galo de Pocinhos (TOGAPO)
  • Torcida Organizada do Galo de Remígio (TOGARE)
  • Torcida Organizada Núcleo Alvinegro (NÚCLEO)

Torcidas Extintas

  • Charanga do Galo (CHARANGALO)
  • Fiéis do Galo (FIGA)
  • Terroristas do Galo (TEGA)
  • Torcida Organizada do Galo (TOGA)
Anuncie